Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Artigos

O Observatório Nacional e a luas de Galileu Galilei

Publicado: Terça, 27 de Dezembro de 2016, 12h41 | Última atualização em Terça, 27 de Dezembro de 2016, 12h42

Desde 1610, quando Galileu Galilei descobriu IO, Europa, Ganimedes e Calisto, as quatro maiores luas de Júpiter, muitos astrônomos, profissionais e amadores têm observado esses satélites para conhecer suas posições em relação ao planeta e assim seus movimentos em torno de Júpiter.

As posições observadas desses satélites podem ser usadas para tornar mais precisos os seus parâmetros orbitais relativos e suas variações de longo período. Esses dados têm valor científico e contribuem para melhorar as efemérides.

Como esses satélites são brilhantes e têm órbitas muito próximas de Júpiter, eles podem ser observados com equipamentos óticos simples. Existe um grande interesse nos fenômenos que acontecem nesse sistema planetário, tais como, eclipses, ocultações e trânsitos dos satélites em relação ao planeta.

Para tanto, o Observatório Nacional está disponibilizando, gratuitamente, um software que gera as predições desses fenômenos para facilitar a realização destas observações. O modelo dinâmico utilizado neste programa fornece, com precisão, entre o ano de 2000 e 2079, o instante observável, tipo de fenômeno, posição aparente aproximada e outros parâmetros para auxiliar às observações que envolvem os quatro principais satélites de Júpiter.

software está disponível em: https://daed.on.br/astro/satelites-jupiter

Importante: este programa não faz previsões de ocultações mútuas entre os satélites. Estes fenômenos acontecem a cada 6 anos, quando a Terra e o Sol cruzam o plano das órbitas das quatro principais luas de Júpiter.

 

Link do Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=w88sGziC3no 

 

Divisão de Atividades Educacionais



Rio de Janeiro, 14 de dezembro de 2016.

registrado em:
Fim do conteúdo da página